Sinistralidade rodoviária faz vítimas mortais no Morro do Binda

Ndalatando – Um morto e três feridos constitui o saldo de um acidente de viação ocorrido na madrugada de hoje no Morro do Binda, localizado na estrada nacional 230, que liga a capital do país (Luanda) às províncias do Kwanza Norte, Malanje e Leste do país.

Em declarações hoje à Angop, em Ndalatando, o porta-voz do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, André da Costa, apontou a perda dos travões como causa principal do acidente que envolveu uma viatura ligeira que levava cinco pessoas a bordo, entre as quais uma criança.

André da Costa revelou que, após o acidente, os sobreviventes foram socorridos pela equipa do corpo de bombeiros e protecção civil instalada no local e evacuados para o hospital provincial.

Apontou a falta de prudência e inobservância das normas de trânsito por parte dos automobilistas que circulam no Morro do Binda como as principais causas dos acidentes que ocorrem no referido troço, caracterizado por uma inclinação acentuada na ordem dos dez porcento, com precipícios em ambas as bermas e apontado como principal foco de acidentes na estrada nacional 230.

No âmbito de um projecto do Ministério do Interior encontra-se em construção, no Morro do Binda, um destacamento de prevenção rodoviária que abarcará infra-estrutura multidisciplinar capaz de responder, de forma integrada, as necessidades de prevenção e segurança rodoviárias, bem como de assistência diversificada às comunidades, alargando o seu âmbito de actuação a todas as áreas que irão ficar em pontos estratégicos.

A infra-estrutura, cuja primeira pedra foi lançada pelo ministro do Interior, Sebastião Martins, em Abril último, agregará um conjunto de serviços e equipamentos que permitirão agir, com prontidão, tanto no caso de situações mais graves e de urgências, como nas ocasiões do quotidiano em que os cidadãos necessitam de assistência.

O destacamento terá posto de polícia, centro de estabilização, quartel de bombeiros e centro da protecção civil.

A obra, orçada em um milhão e 350 mil dólares, deverá ser concluída em oito meses.

Fonte:angop

DEIXE UMA RESPOSTA