Reserva fundiária pronta para obras

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD) procedeu, no fim-de-semana, na cidade de Menongue, Kuando-Kubango, à entrega oficial de 535 hectares livres de minas, na reserva fundiária de Mupambala, área indicada pelo governo da província para a construção de casas sociais, no quadro do programa do Executivo de fomento habitacional.
Os trabalhos de desminagem, iniciados em Setembro de 2009, terminaram em finais de Abril do corrente ano. Uma mina anti-pessoal, 1.557 munições diversas e 62.956 quilos de metais diversos foram removidos da zona, para não criarem embaraços às obras de urbanização dos 535 hectares da referida área fundiária.
No mesmo dia, os efectivos do INAD procederam igualmente à destruição de 252 engenhos explosivos, removidos nos arredores do aeroporto da cidade de Menongue, nas margens da estrada em direcção às localidades de Cuatir, Dumbo, Missombo e na reserva fundiária de Mupambala.
Entre os engenhos explosivos destruídos contam-se 60 obuses de canhão de 122, 76 e 60 milímetros, 12 projécteis de morteiro de 82 milímetros, 12 mísseis do tipo SA-8, 10 bombas de 500 e 250 quilos, 16 minas anti-pessoal e 12 anti-tanque, 10 granadas de mão, 120 munições diversas e 50 quilos de engenhos explosivos.
O chefe de departamento provincial do INAD, Coxe Sucama, que apresentou as zonas desminadas ao vice-governador Simão Baptista para organização e infra-estruturas, assegurou que as referidas áreas oferecem excelentes condições de segurança, para que o governo provincial possa implementar os seus projectos, no quadro do processo de reconstrução nacional.
Realçou que a sua crença se deve ao facto do INAD ter utilizado tecnologia de ponta, como máquinas telecomandadas e um efectivo de 69 sapadores, equipados com detectores electrónicos.
O vice-governador do Kuando-Kubango enalteceu o trabalho feito pelo INAD e sublinhou que é importante que o processo de desminagem abranja toda a extensão da província, com vista a permitir a livre circulação de pessoas e mercadoria, “porque só assim a região vai conhecer um desenvolvimento socioeconómico acelerado”.

Simão Baptista realçou que até ao memento as áreas minadas constituem um dos principais empecilhos que o governo da província do Kuando-Kubango enfrenta para a implementação de vários projectos sociais, destinados a melhorar as condições de vida das populações e a reduzir o risco de acidentes com minas. Disse ainda que o governo provincial vai continuar a apoiar as operadoras de desminagem, para que possam desenvolver as suas actividades sem qualquer sobressalto.

Comuna do Longa

Também a operadora britânica de desminagem “The Hallo Trust” entregou na semana passada, na comuna do Longa, no município do Cuito Cuanavale, 67.538 metros quadrados de área livre de engenhos explosivos, operação que culminou com a remoção de 199 minas anti-pessoal e diversos engenhos explosivos não denotados.
Um balanço das actividades da The Hallo Trust revela que os trabalhos tiveram início em Outubro de 2008 e foram concluídos em Abril deste ano.
A área limpa, ainda segundo o documento, representa 40 por cento do total de zonas sinalizadas, suspeitas de possuírem minas.
O documento refere que, devido à intensidade do conflito armado naquela zona, as matas da comuna do Longa podem ter minas e muitos engenhos explosivos não detonados, pelo que a operadora “The Hallo Trust” não poupará esforços para limpar estas áreas, e deste modo possibilitar que o governo provincial possa implementar os seus projectos destinados a melhorar o nível de vida da população.
Além da comuna do Longa, a “The Hallo Trust” está também envolvida em operações de desminagem ao redor da sede municipal do Cuito Cuanavale, incluindo a estrada nacional número 170, de acesso à vila de Mavinga, numa extensão de pouco mais de 200 quilómetros, onde algumas informações apontam para a existência de campos minados, com cerca de 30 quilómetros de extensão.

Destruição de minas

A brigada de engenharia das Forças Armadas Angolanas (FAA) procedeu recentemente à destruição de 98 engenhos explosivos diversos e 110 munições, removidas em operações de desminagem na estrada nacional número 372, que liga a sede comunal de Caiúndo (Kuando-Kubango) à localidade de Cubati (Cunene), numa extensão de 33 quilómetros.
A operação teve a duração de oito meses, durante os quais foram removidas e destruídas 37 minas anti-pessoal, 17 projécteis de RPG-7, 22 de morteiro, três rockets de BM-21, 15 granadas de mão, 60 munições de AKM, 30 de ZU-23 e 20 de AG-17. A operação contou com o envolvimento de 60 efectivos, entre paramédicos, administrativos e sapadores que, durante as operações de desminagem, utilizaram detectores de minas de fabrico espanhol, muito eficientes em solos arenosos, como os da estrada nacional número 372.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA