Recurso às reservas de emergência

A Agência Internacional de Energia (AIE) anunciou sexta-feira que vão ser libertados 60 milhões de barris de petróleo das reservas de emergência de 28 países. Os EUA vão ser responsáveis por 30 milhões de barris.
O objectivo é responder aos problemas de fornecimento da Líbia. O petróleo está a deslizar a mais de quatro por cento.
O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 4,86 por cento para 90,77 dólares, o que corresponde ao valor mais baixo desde Fevereiro. O Brent recua 5,79 por cento para 107,60 dólares, o que representa o valor mais baixo desde Maio.
A AIE revelou que vão ser dispensadas, das reservas de emergência, 60 milhões de barris de petróleo, de acordo com a Bloomberg. Vão ser libertados dois milhões de barris por dia nos próximos 30 dias.
Estas reservas vão ser dispensadas por 28 países, entre os quais os EUA, que vão comparticipar com metade. O Departamento (Ministério) da Energia dos EUA revelou que vai disponibilizar 30 milhões de barris de matéria-prima das suas reservas estratégicas.
A Europa vai comparticipar com 30 por cento do total e a Ásia com 20 por cento. Estas quantidades foram definidas com base no consumo de cada região.
O objectivo é colmatar a ausência de 132 milhões de barris de petróleo que provinham da Líbia e que o actual contexto não permite.
Nobuo Tanaka, director executivo da AIE, afirmou aos jornalistas que os preços elevados do petróleo prejudicam a economia de qualquer país.Esta é a terceira vez que a AIE coordena o uso de reservas de emergência desde que foi fundada em 1974.
A primeira vez foi em 1991, durante a Guerra do Golfo e a segunda foi em 2005, altura em que o furacão Katrina danificou as refinarias e oleodutos do Golfo do México. Os 28 países que pertencem à AIE têm quatro mil milhões de barris de reserva, sendo que 1,6 mil milhões estão destinados a serem usados em períodos de emergência, como é o caso. Só os EUA têm reservas de 727 milhões de barris para estes fins.

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA