Ramos-Horta impressionado com zona económica especial

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, afirmou ontem, em Luanda, que Angola pode ser uma grande potência económica regional se continuar com o processo de industrialização em curso no país.
Em declarações à imprensa após visitar três fábricas da Zona Económica Especial (ZEE)  Luanda-Bengo, José Ramos-Horta manifestou-se impressionado “com o que se tem feito no processo de industrialização de Angola em pouco tempo, desde a reconquista da paz em 2002”.
“Foi preciso ver este parque industrial e o programa de urbanização para termos uma dimensão melhor do que Angola tem feito”, sublinhou José Ramos-Horta, acrescentando que tem acompanhado, pela imprensa internacional, os números sobre o crescimento económico de Angola. “Hoje podemos associar esses números que vêm nas revistas ao que se está a passar no terreno, a industrialização. Creio que este país, a continuar assim, vai ser uma grande potência regional económica”, frisou.
Após a apresentação de um vídeo sobre a ZEE Luanda-Bengo, o Presidente de Timor-Leste visitou as fábricas Vedetela, que produz material para vedações, a Angolacabos, que fabrica cabos de fibra óptica, e a Matelectrica, unidade especializada na fabrico de material eléctrico.
Antes disso, José Ramos-Horta visitou a nova cidade do Kilamba. A ZEE, cujas primeiras oito unidades fabris foram inauguradas pelo Presidente da Republica, José Eduardo dos Santos, em finais do mês passado, vai ocupar o espaço entre os municípios de Viana e Cacuaco (Luanda) e Icolo-e-Bengo, Dande, Ambriz e Nambuangongo (Bengo).
A ZEE Luanda-Bengo é um espaço económico com várias infra-estruturas fundiárias, económicas e administrativas, adequadas à competitividade, inovação, fomento intensivo da produção e criação de emprego. O objectivo é contribuir para a modernização da economia nacional.
Ainda ontem, José Ramos-Horta orientou uma palestra dirigida a estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto.

Na palestra, Ramos-Horta considerou a ajuda do Governo angolano ao povo timorense durante mais de duas décadas até conseguir a auto-determinação e o reconhecimento mundial como estado independente um exemplo de altruísmo e solidariedade.
A palestra, bastante concorrida, juntou além dos estudantes, vários intelectuais entre docentes universitários e investigadores, todos interessados em ouvir a dissertação de uma autoridade sobre o processo histórico de Timor-Leste, o papel de Angola e a actualidade internacional.
Com a moderação do decano da Faculdade de Direito, Raul Araújo, a palestra foi o último ponto do segundo dia da agenda da visita de estado de Ramos-Horta a Angola.
Ainda ontem, Ramos-Horta visitou a clínica Girassol e algumas unidades fabris na Zona Económica Especial. O Presidente de Timor Leste, José Ramos-Horta, deixa hoje o país.

 

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA