Província de Benguela com mais técnicos das áreas de enfermagem e anestesiologia

Mais de 220 técnicos de saúde concluíram com êxito o quarto curso médio na especialidade de enfermagem geral e o segundo de anestesiologia, no Instituto Médio de Saúde de Benguela.
O curso, iniciado em Fevereiro de 2008, formou 129 técnicos no quarto curso de enfermagem e 100 técnicos no segundo curso na especialidade de anestesiológia, reanimação, instrumentalização e cirurgia, provenientes das províncias de Benguela, Kwanza-Sul, Luanda, Huíla, Huambo, Bié e Namibe.
Para o bom andamento da acção formativa e o alcance dos objectivos do plano curricular da instituição formadora, foram ministradas 33 disciplinas em aulas teóricas e práticas, às quais foram adicionados estágios parcelares, realizados em hospitais, centros e postos médicos da província de Benguela.
De acordo com a directora do Instituto Médio de Saúde, Isabel António, foi cumprido 95 por cento do plano de formação da direcção provincial da Saúde, para o aumento de quadros com competência para resolverem as preocupações de saúde das populações, nas comunidades da província de Benguela e do país em geral.
O director provincial da Saúde, Valentino Kaliengue, referiu que muitos dos formandos já se encontram inseridos no sector da Saúde e exercem a profissão com brio, zelo e dedicação, enquanto outros ingressam pela primeira vez, através do concurso público em vigor no país, preenchendo assim as vagas existentes em algumas unidades hospitalares da província.
“Numa altura em que o grande desafio do sector consiste em combater e reduzir a mortalidade materno infantil, com este lote de novos quadros formados em diversas especialidades de enfermagem geral, os serviços de saúde estarão cada vez mais próximos do cidadão, dando resposta pontual às suas preocupações e prevenindo o surgimento de doenças oportunistas”, disse o director provincial da Saúde.
O administrador municipal de Benguela, José Lucombo, afirmou, durante a cerimónia, ser necessário que os técnicos de saúde formados coloquem em prática todos os conhecimentos adquiridos, de modo a contribuir para o progresso do país, numa altura em que o governo está a desenvolver acções que visam garantir e manter serviços de saúde, para baixar os índices de mortalidade. Por sua vez, os finalistas comprometeram-se a trabalhar com zelo e dedicação onde os seus serviços forem solicitados, prestar mais atenção às preocupações de saúde dos cidadãos, de acordo com as normas deontológicas do sector da Saúde, e cumprir com rigor as leis vigentes no país.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA