Pós-graduação em ciências médicas tem o arranque previsto para Julho

A Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário (CESPU-Formação Angola) vai dar início, na primeira quinzena de Julho, na cidade do Huambo, ao curso de pós-graduação com acesso ao mestrado.
De acordo com uma das responsáveis do curso, Natércia Paulino Simba, estão disponíveis 22 vagas nas áreas de ginecologia, obstetrícia, cirurgia, pediatria, medicina interna, ortotraumatologia, nesteseologia, medicina geral e cuidados intensivos.
A responsável explicou que o curso de pós-graduação, cujas candidaturas ainda estão a decorrer, é um processo de formação dirigido a licenciados em medicina, desde que estejam filiados na Ordem dos Médicos e tenham dado provas no domínio dos serviços sociais.
Natércia Paulino Simba informou que as especialidades de ginecologia, obstetrícia, cirurgia, pediatria e medicina interna são as que possuem mais vagas – quatro para cada uma.
As áreas de medicina geral e ortotraumatologia possuem duas vagas, respectivamente, enquanto a nesteseologia e cuidados intensivos dispõem de um lugar cada.A responsável referiu que, desde Maio deste ano, a Faculdade de Direito da Universidade José Eduardo dos Santos deu início a um curso de pós-graduação, no qual estão inscritos 83 estudantes.
A falta de cursos do género e também de mestrados no Huambo tem motivado muitos estudantes a deslocarem-se ao estrangeiro, embora alguns optem por fazer cursos à distância, com recurso à Internet.
Na província do Huambo, antigo centro académico angolano, estão em funcionamento o Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED), as Faculdades de Medicina, Ciências Agrárias, Direito, Economia, Medicina Veterinária e o Instituto Superior Politécnico, além de um instituto superior privado.

O Instituto Superior Politécnico, com seis cursos, e o Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED, com cinco, são as instituições de maior referência universitária no Huambo, pelo facto de absorverem, todos os anos, maior número de estudantes.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA