Porto do Namibe regista melhorias

O Porto do Namibe está a melhorar a capacidade técnica para a movimentação de mercadorias
O Porto do Namibe está a melhorar a capacidade técnica para a movimentação de mercadorias

O Porto do Namibe registou, no primeiro trimestre deste ano em relação a igual período de 2010, um aumento de 2 por cento de mercadorias manuseadas, anunciou, na terça-feira, o presidente do Conselho de Administração do empreendimento.
Pedro Cahamba, que falava na cerimónia alusiva aos 54 anos do Porto Comercial do Namibe, ocorridos no mesmo dia, revelou também que as receitas cresceram 10 por cento.
Dados da empresa referem que atracam mensalmente no Namibe, em média, 20 navios de longo curso e de cabotagem, incluindo petroleiros, e que, diariamente, movimenta cerca de 200 mil toneladas de mercadorias.
A reabilitação na primeira fase do porto, particularmente a reparação de 240 metros de cais e partes adjacentes, disse Pedro Cahamba, serviu de mola impulsionadora para a recuperação dos níveis de produção e de receitas.
Outros factores que contribuíram para os êxitos da empresa, afirmou, foi a aquisição de equipamentos de carga, reabilitação da principal via de acesso do recinto portuário e a instalação de duas torres de iluminação oferecidas, em 2010, pelo Governo japonês.
“Além destes indiciadores encorajadores, outros sinais de crescimento surgem, animando-nos a enfrentar as vicissitudes de momento”, referiu, sublinhando:
“Trata-se do apoio moral e institucional das autoridades locais e centrais”.

 

A segunda fase de reabilitação, prevista para o segundo semestre de 2012, declarou Cahamba, consiste na reparação de mais 240 metros de cais e partes adjacentes e na instalação de um parque de contentores frigorífico.
O Conselho de Administração, disse, delineou um programa de acções para o período 2010/2012, que consiste na construção da sede da empresa, criação de órgãos de controlo de actos administrativos e elaboração do plano estratégico.
O Porto do Namibe, o terceiro mais importante do país, depois do de Luanda e do Lobito, construído em 1957, tem 870 metros de cais de acostagem econta com mais de 700 trabalhadores.

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA