Meios de fiscalização são reforçados para combater os caçadores furtivos

A administração do município do Tombwa, na província do Namibe, está a implementar um projecto destinado a combater a caça furtiva, no parque nacional do Yona.
Segundo o administrador do parque, João Guerra de Freitas, o projecto inclui meios técnicos, como viaturas, para os fiscais possam desenvolver o seu trabalho sem grandes dificuldades. Além disso, foram construídas, na localidade da Espinheira, três residências para os 12 fiscais que vão fazer o patrulhamento da zona.
Espinheira faz fronteira com a foz do rio Cunene e, segundo o administrador do parque, é nesta área “que alguns turistas e amigos do alheio abatem indiscriminadamente algumas espécies animais, como gazelas, holongos e cabras do mato”. No fim-de-semana, a administração do parque e uma equipa de técnicos fez um levantamento para abertura de furos de água nesta localidade, na perspectiva de se criarem melhores condições de trabalho para os fiscais. “Já estão prontas três residências. Falta apenas levar a água a essas casas, para que os fiscais e as suas famílias vivam condignamente e possam empenhar-se melhor na fiscalização e patrulhamento do parque”, referiu.
O parque nacional do Yona é o maior do país, e ali se encontram alguns animais de espécies raras e em vias de extinção, como leões, mabecos, elefantes, rinocerontes pretos e branco, zebras, entre outros. A zona da Espinheira tem uma população estimada em 16 mil habitantes e é habitada maioritariamente por muimbas, que se dedicam essencialmente à pastorícia.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA