Líder da Nova Democracia apela à preservação da paz

O líder da Nova Democracia-União Eleitoral (ND-UE), Quintino de Moreira, apelou à população da província do Namibe a preservar a paz alcançada há pouco mais de uma década, com muito sacrifício, depois de muitos longos e penosos anos de guerra que se saldaram em milhares de mortes, mutilados, viúvas, deslocados internos e refugiados para países vizinhos em busca de melhores condições de segurança.

O político lançou este apelo durante um comício realizado nesta terça-feira, 6, no qual participaram milhares de cidadãos, entre militantes, simpatizantes e curiosos que assistiram ao acto, durante a sua visita de dois dias efectuadas a esta região, para constatar o funcionamento das estruturas de base desta força política, considerado de positivo, e medir a pulsação do seu eleitorado, já a pensar nas próximas eleições aprazadas constitucionalmente para 2012.

“É preciso cuidarmos desta paz que foi conseguida com muito sacrifício, como sabeis, desde 1961, início da luta armada contra o colonialismo português, nunca tínhamos uma paz duradoura, porque mesmo depois da conquista da independência nacional o país mergulhou-se num outro conflito armado interno. Seguiu-se uma outra guerra pós-eleitoral e que só terminou em 2002, por isso devemos esquecer o passado e olharmos em frente todos unidos para reconstruirmos o país”, disse.

Quintino de Moreira fez este pronunciamento quando se referia às manifestações, realizadas por certas associações, ou mesmo partidos políticos, inspiradas no movimento reivindicativo que se instalou no Norte de África, desde Fevereiro do ano em curso.

“Que elas sejam realizadas de forma pacífica e ordeira e sem perturbar a tranquilidade e a ordem públicas, instigar o ódio que podem resultar em situações pouco abonatórias e remeter o país numa nova onda de violência”, advertiu.

Prudente no seu discurso, o líder da ND-UE disse reconhecer que as manifestações estão protegidas constitucionalmente, mas a sua maior preocupação assenta no facto de como algumas têm sido realizadas, chegando-se ao ponto de crescer o tom das acusações contra o poder instituído.

Até a este nível, o responsável pediu mais calma, pois “ tudo se resolve a seu tempo, porque o conflito foi muito longo e não se equaciona tudo de uma única vez”, reforçou.

Segundo Quintino de Moreira, com a consecução da paz muita coisa está sendo feita em prol das populações sofridas, embora diga haver ainda muito por se fazer para se ultrapassarem as prementes necessidades que afligem a maior parte dos cidadãos que vivem numa extrema mendicidade, assolados pela fome, pobreza e desemprego.

“Temos de admitir que à população tem que se dar mais para mudar rapidamente este quadro negro que é ainda bastante desolador”. ND, a lebre corre no deserto para vencer em 2012 O presidente da Nova DemocraciaUnião Eleitoral reiterou o que já disse muitas vezes publicamente de que a coligação que dirige, integrada por seis partidos políticos, está a trabalhar arduamente para se transformar na segunda força política do país, em 2012, depois do partido no poder, o MPLA, e em 2017, governar o país.

Para se alcançar este propósito, o político lançou um apelo aos seus correligionários para votarem em massa no próximo pleito eleitoral.

“O nosso propósito de governar o país só será possível se esta multidão aqui reunida votar na nossa coligação, aliás, tenho a plena certeza que votará expressamente para levarmos avante o nosso propósito”, disse sorridente o político perante milhares de militantes, simpatizantes e curiosos que acorreram ao acto realizado na sede do partido, no bairro 5 de Abril, na cidade desértica do Namibe.

Exortou ainda que se faça, cada vez mais, um trabalho de recrutamento e mobilização de membros nesta região para que nos próximos seis anos esta mesma força alcance o poder, através do voto e governar o país, proporcionando à população o que prometeu.

“O que pretendemos proporcionar ao nosso povo só será possível se estivermos no poder, e, para isso, é necessário que se acate o que estou a pedir aos meus colegas, amigos e outros para cumprirmos com o vosso dever cívico, o de votarmos em massa para, primeiro colocarmo-nos na segunda força política e depois de governar o país a partir de 2017”, reiterou o jovem político.

Segundo ele, o desafio está lançado e o propósito será alcançado cedo ou tarde.

E como sonhar não é proibido, o homem que pretende destronar o MPLA do poder, através de votos expressos nas urnas, revelou que a deslocação à terra da “welwistchia mirabilis”, é o início de uma digressão que fará em todas as províncias para transmitir a mesma mensagem que a do Namibe.

“A Nova Democracia vai continuar a visitar as demais regiões, sem excepção, onde quer que esteja o nosso eleitorado. Aliás, o ponto de partida é aqui no litoral Sul e iremos às demais localidades ”, disse. Acompanhado de outros membros integrantes da ND-UE, Quintino de Moreira que assume o leme desta coligação desde 2008, altura em que esta força política guindou-se na arena política ao obter dois assentos na Assembleia Nacional, mostrou-se satisfeito com o nível de crescimento da massa militante do Namibe, que, segundo ele, “quintuplicou e ultrapassou as expectativas preconizadas”, desejando o que o mesmo suceda com as demais províncias.

“Espero que este nível de crescimento dos militantes da província do Namibe encoraje as demais para que até às eleições tenhamos um número ainda maior que o actual”, reforçou o político, tendo reconhecido na ocasião, o esforço colectivo do secretariado provincial do Namibe que “não tem poupado esforços para cumprir integralmente as orientações dimanadas superiormente”.

Apoio ao empresariado local

Durante a sua estada no Namibe, Quintino de Moreira teve um encontro de cortesia com a governadora local, Cândida Celeste, de quem obteve uma informação pormenorizada sobre os programas em execução na região, consubstanciado no fomento ao emprego para combater à fome e à pobreza, construção de residências para os mais desfavorecidos, através do programa de auto-construção dirigida.

Recebeu igualmente explicações sobre os passos que estão a ser dados pelo executivo local no que concerne à reposição da ponte do Giraul destruída em Março último pelas fortes chuvas que assolaram a região.

No encontro, Cândida Celeste deu também explicações ao político e deputado Quintino de Moreira sobre os projectos em carteira para o fomento da indústria na região, a qual considerou um “monstro adormecido” e que precisa rapidamente de acordar para ajudar a desenvolver a província.

Em resposta, o líder da Nova Democracia pediu o apoio do Governo do Namibe para ajudar o empresariado local na concessão de créditos dos bancos estatais, Banco de Poupança e Crédito (BPC), Banco Africano para o Desenvolvimento (BAD) e o Banco de Comércio e Indústria (BCI). Na opinião do político, a concessão de créditos ao empresariado poderá ajudar rapidamente no desenvolvimento desta região, que detém uma variedade de recursos marinhos, bem como descobrir outras potencialidades que permitiriam proporcionar mais empregos e colmatar as inúmeras dificuldades do “exército industrial de reserva”, ou seja, desempregados como chamou Karl Max, numa das suas vastas obras sobre economia.

O líder da ND-UE visitou ainda os órgãos da Comunicação Social, Rádio Nacional de Angola (RNA), Televisão Pública de Angola (TPA), Agência Angola Press (ANGOP), dos quais obteve explicações dos seus responsáveis sobre o funcionamento dos mesmos. Visitou igualmente o Hospital Regional do Namibe “Ngola Kimbanda”, tendo recebido também pormenores sobre o seu funcionamento.

Fonte: O País

DEIXE UMA RESPOSTA