Kadhafi diz à OTAN que líbios resistem

O Governo líbio acusou ontem a OTAN de ter morto civis num ataque durante a madrugada num bairro residencial nos arredores de Tripoli.
Jornalistas baseados na Líbia foram levados por responsáveis do Governo para os arredores da capital onde lhes foi dito que o ataque tinha ocorrido às primeiras horas de ontem e mostraram o edifício danificado e equipas de resgate em operação. O porta-voz do Governo, Moussa Ibrahim, explicou que os danos foram provocados por mísseis e bombas lançadas pela OTAN.
O comando da aliança militar anunciou a abertura de uma investigação para apurar o sucedido. O edifício destruído, de três andares, fica localizado em Souk Al-Juma, uma área que já foi diversas vezes atacada pelas forças ocidentais.
Esta acção segue-se a outro “bombardeamento por engano” da OTAN na cidade de Ajdabiya, no leste da Líbia, ocorrido na quinta-feira. Na ocasião, 16 homens ficaram feridos. A coligação militar pediu desculpas pelo erro.

Sem dinheiro

O responsável pelas Finanças e o Petróleo dos rebeldes líbios, Ali Tarhouni, disse que os insurrectos estão sem dinheiro, e acusou os países ocidentais de falta de apoio logístico e financeiro.
Numa entrevista à agência Reuters, Tarhouni disse que a produção de petróleo nas cidades controladas pelos rebeldes está paralisada devido aos danos causados pelo conflito. Tarhouni disse já estar em negociações com grandes companhias petrolíferas ocidentais, com quem pretende lançar parcerias estratégicas.
Uma jornalista britânica que está em Benghazi, principal base dos rebeldes, disse que os ataques dos aliados contra as posições das forças governamentais continuam fortes.
A jornalista afirmou que há muita preocupação e frustração em Benghazi a respeito do conflito, que já se estende há quatro meses. A correspondente da BBC disse que esta frustração parece vir mais da impaciência dos rebeldes do que de qualquer tipo de hostilidade contra os países ocidentais.
O Presidente Muammar Kadhafi afirmou, na cidade de Tripoli, que os líbios vão resistir e vão continuar no seu país e não se deixam intimidar pelos mísseis e bombas mortíferas da Organização do Tratado do Atlântico Norte.

Kadhafi determinado a resistir aos ataques

Num discurso transmitido pela televisão por ocasião das manifestações organizadas no país para denunciar as operações de bombardeamentos da OTAN, Kadhafi criticou vivamente os países  que participam nesta campanha militar contra alvos civis, considerando-os cobardes.
Nas suas agressões contra a Líbia, os países europeus fazem face, pela primeira vez, a um povo numeroso armado e capaz de mobilizar, homens e mulheres, na batalha para defender e libertar o seu país, disse o líder líbio.
“Os países da OTAN perderam-se numa operação que nunca conheceram antes na Argélia, onde estavam confrontados unicamente com uma frente de liberação nacional, no Afeganistão, onde só os talibãs os combateram, no Líbano, onde estavam a braços só com o Hezbollah, ao passo que, na Líbia, eles enfrentam um povo armado”, disse Kadhafi. O dirigente líbio condenou firmemente os que matam o seu povo sob a bandeira dos colonizadores – fazendo alusão à oposição armada em Benghazi (no nordeste do país), descrita como traidora -, e apelando aos líbios a libertarem o seu país.

 

 

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA