Governo está a indemnizar proprietários que perderam carros ao serviço do Estado

O governo central entregou na terça-feira, no Soyo, 50 viaturas a igual número de cidadãos da província do Zaire, que perderam os seus carros ao serviço do Estado, durante o conflito armado.
O acto de entrega foi presidido pelo ministro dos Transportes, Augusto Tomás, que afirmou enquadrar-se este gesto no programa de reposição de viaturas destruídas durante o conflito armado, que assolou o país.
Augusto Tomás assegurou que o ressarcimento dos danos aos legítimos proprietários se insere no programa gizado pelo Presidente da República, destinado a repor todos os meios dos cidadãos que ajudaram o Governo nos momentos difíceis.
“O nosso líder, com carácter de solidariedade, humanismo e amor pelo seu povo, julgou necessário materializar um programa ímpar nesta região, para ressarcir aqueles cidadãos que perderam os seus meios durante o período difícil do país”, esclareceu.
O ministro recomendou aos legítimos proprietários que os meios sirvam para o transporte de mercadorias em toda a extensão da província do Zaire, desde a cidade até à última aldeia.
Do seu ponto de vista, a província fica mais reforçada e enriquecida, uma vez que vão complementar o transporte de passageiros inter-provincial, municipal e colectivo urbano, concretamente no município do Nzeto.
Com a indemnização daqueles que perderam os seus meios a nível nacional, reforçou o ministro, os esforços da reconstrução nacional vão-se recompondo rumo ao desenvolvimento económico e social do país.

No entender de Augusto Tomás, espera-se que as direcções provinciais dos Transportes, da Agricultura e do Comércio, sob a coordenação das autoridades da província, trabalhem de forma coesa, com vista a reforçarem o transporte de carga em toda a região, para encurtar a distâncias entre os centros de produção, distribuição e o consumo.
Só desta forma, continuou, vai ser possível aumentar gradualmente a produção de bens essenciais e o poder de compra dos produtores rurais, melhorando a sua vida no campo, com vista a maximizar a oferta e baixar o custo final.Daniel António, um dos contemplados, afirmou que se sente satisfeito pelo facto das autoridades estarem empenhados na indemnização de todos os cidadãos, que ao serviço da defesa da pátria perderam as suas viaturas.
Apelou ainda às autoridades dos transportes para incluírem nas listas os demais cidadãos, cujos nomes estão de fora.

Transportes marítimo e fluvial

Um projecto para a criação de uma rede de transportes marítimos, fluvial e terrestre de passageiros e carga, ao longo da costa angolana, foi apresentado na terça-feira ao governo da província do Zaire.
O referido projecto, já em estudo, consiste em construir terminais marítimos, fluviais e terrestres entre as províncias de Cabinda, Zaire e Uíge, com vista a dinamizar a mobilidade de pessoas e bens na região.
Augusto Tomás considera que o estudo em curso, após a sua conclusão e aprovação pelos órgãos competentes do Estado, vai permitir a construção de terminais marítimos, fluviais e terrestre e embarcações para o transporte diverso de passageiros e mercadorias.
O projecto pretende reduzir os custos de transporte e facilitar a movimentação de meios e mercadorias entre as três províncias.
Tão logo os estudos estejam concluídos, os peritos das províncias beneficiadas devem indicar os locais onde serão construídos os referidos terminais, mas depois de discussões técnicas.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA