Gado tem mais acesso a água

O programa de melhoria de acesso à água e às pastagens para as comunidades de pastores nos corredores de transumância nas províncias da Huíla, Namíbe e Cunene permitiu a construção de chimpacas e sondas de água em benefício de 152.144 cabeças.
O Projecto Transumância está a ser desenvolvido desde 2008 e é da responsabilidade do Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Instituto dos Serviços de Veterinária e financiado pela União Europeia com um montante de 1,86 milhões de dólares sendo 800 mil directamente canalizados para a reabilitação e construção de pontos de água e chimpacas.
O responsável do projecto, Tim Russell, disse ao Jornal de Angola que durante esse período foi feito o levantamento de 172 pontos de água e identificados outros 280 para a criação de um banco de dados.
Tim Russell explicou que o objectivo do Projecto Transumância é apoiar o Ministério da Agricultura, Governos Provinciais e Administrações Municipais, Comunais e outros parceiros na identificação de áreas pastoris comunitárias e corredores de transumância, além do melhoramento ao acesso à água e aos pastos.
Os projectos chegaram a 3.136 quimbos, totalizando 30 mil pessoas que viram os locais de pastagens e sistemas de água para o gado melhorados.
No município da Bibala, (Namíbe) foram construídos e reabilitados postos de abastecimento de água nas localidades de Chitembo e Jamba. Na Huíla, as áreas beneficiadas foram Tchimukue e Mapuno (Gambos).
Na Cahama (Cunene) a construção e reabilitação de chimpacas começou nos Gambos e foram construídas e reabilitadas chimpacas nas localidades de Vicolongo e Otimbo.Foram executados projectos comunitários de cercas com plantações nas localidades de Muhonda, Chitemo, Camupapa, Jamba, Camue, Muhongo, no município da Bibala.

Ainda na Cahama e Gambos foram desenvolvidas acções comunitárias com a reabilitação de dez sondas de água, numa selecção de 14 pontos e vedação das chimpaas.
“O programa permitiu ainda potenciar as comunidades com kits de vedação, distribuição de arame, carrinhos de mão, picaretas, alavancas, pás, esticadores, alicates, entre outros”, acrescentou Tim Russel.Tim Russell referiu também a construção de jangos pastoris para permitir a utilização dos corredores e pastos de transumância, gestão e manutenção dos pontos de água e as campanhas de vacinação.Os jangos permitem facilitar a venda do gado e fazer pressão para a criação de infra-estruturas de apoio técnico e financeiro e facilitar o surgimento de associações e cooperativas.O vice-governador da Huíla para a esfera económico, Sérgio da Cunha Velho, reconheceu que a elaboração de novas estratégias permite um desenvolvimento sustentável da produção do gado de corte, na perspectiva do programa de desenvolvimento rural e combate à pobreza.
Cunha Velho disse que é importante a criação de políticas para o cumprimento das estratégias, o surgimento de associações e cooperativas e outras formas organizativas para melhorar o sistema de produção e comercialização de carne e outros derivados do gado.
O vice-governador defendeu também que é imperiosa a formação dos jovens criadores tradicionais para ajudar a melhorar a rede sanitária dos serviços de veterinária na região sul, incluindo a distribuição de medicamentos para o gado.Defendeu melhorias no sistema de comercialização de animais e alertou os criadores de gado para o perigo de algumas doenças infecto-contagiosas, quando não testadas nos animais.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA