Fazendas da Cela poderão beneficiar de energia eléctrica

Sumbe – Cinquenta e uma fazendas de 15 mil hectares de terras aráveis cada, na região da Cela, sob gestão da Sociedade de Desenvolvimento dos Perímetros Irrigados (Sopir), poderão beneficiar em 2012 de energia eléctrica da subestação da Gabela, província do Kwanza Sul.

A informação foi avançada segunda-feira pelo governador do Kwanza Sul, Serafim do Prado, quando fazia o balanço sobre a situação política, social e económica da província, sem precisar a data para o início dos trabalhos de construção da linha de transporte de energia.

“Temos noções da situação energética da Cela, porém para inverter o quadro existe um projecto de energia eléctrica da barragem do Cambambe (Kwanza Norte), via subestação da Gabela, que vai beneficiar o projecto Aldeia Nova e igualmente os perímetros irrigados,” disse.

Informou que a referida linha de transporte de energia passará pela comuna do Condé (Ebo) e Kibala.

No projecto da Sopir está instalado quatro grupos geradores que em pleno funcionamento gasta uma média de 420 litros de combustíveis por hora, o que torna bastante oneroso se tiver em conta os seus custos (combustíveis).

Na óptica do governador, há a necessidade de fazer uma análise profunda do projecto, tendo em conta os objectivos para os quais foi construído (irrigação dos perímetros agrícola).

“As unidades térmicas podem ser aproveitadas apenas para fornecer energia eléctrica para a cidade do Wako Kungo, porque se for para irrigação teremos graves problemas e a eventual paralisação do mesmo,” frisou.

Fez saber que a preocupação do governo da província do Kwanza Sul é que se crie mecanismos para se acoplar a energia eléctrica da subestação da Gabela para o canal de Matumbo.

Anunciou que trabalhos preliminares estão a decorrer para que a Empresa Nacional de Electricidade (ENE) se instale no Waku Kungu.

O perímetro irrigado do Matumbo ou sistema hidráulico do canal de Matumbo tem cerca de 32 quilómetros extensão, cuja água para a irrigação provém do rio Keve.

Segundo um relatório da Sopir, o arranque da produção no projecta estaria em condições para auto sustentar a região Centro e Sul do país com produtos agro-pecuária.

Constam do projecto a assistência técnica aos camponeses, acompanhamento, monitorização e aconselhamento técnico aos camponeses, criação de um brigada de mecanização cujos meios técnicos já existem.

A promoção e aumento da produção agrícola e fomento da criação de animais para o incentivo da cultura da forragem para alimentação do gado.

O perímetro irrigado do Wako Kungo foi reabilitado pela empresa chinesa Synohidro com um financiamento no quadro de uma linha de crédito do Eximbank daquele país e entregue ao Ministério da agricultura e desenvolvimento rural em 2009.

Os trabalhos cingiram-se na reabilitação do sistema hidráulico (estações de bombagens e as redes de distribuição de água), numa extensão de 32 quilómetros e faz parte de um novo modelo adoptado pelo Governo de Angola.

Fonte: Angop

DEIXE UMA RESPOSTA