Famílias vulneráveis com atenção reforçada

O Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS), em parceria com a UNICEF, está a levar a cabo um projecto de pesquisa de famílias vulneráveis que cuidam de crianças cujos progenitores faleceram com sida. Segundo a reportagem do Jornal de Angola apurou, são muitas as famílias que, com amor, solidariedade e carinho, acolhem crianças órfãs, cujos familiares as rejeitam, principalmente quando os pais morreram com a doença.
“É triste o que acontece aqui. Uma vizinha e o seu marido morreram com sida e a família recusou-se a cuidar da criança de oito anos. Eu, como mulher, mãe e vizinha decidi ficar com a menina”, disse Filomena Sange, moradora na comuna de Ombala yo Mungo.
Estas palavras comoventes contagiaram outras vizinhas que acompanhavam a conversa. O administrador comunal da Ombala yo Mungo, Portásio Muatihimunu, disse que, no domínio de apoio social, foi implementado pelo MINARS um projecto cujo objectivo é assistir cerca de duas mil crianças órfãs, algumas afectadas com Sida, enquanto 1.166 são filhas de pais que morreram de patologias diversas.
Para dar resposta às gritantes carências daquele município, a par dos esforços do governo provincial, têm surgido outros apoios de Organizações Não-Governamentais, como a ADRA e a ADPP.

Parceria com as Nações Unidas

No período entre 2007 a 2009, o Fundo de Apoio à Infância das Nações Unidas (UNICEF) disponibilizou um financiou no total de 167.270.70 dólares, segundo o coordenador da referida instituição no Cunene, Pedro Cawilila. Parte deste montante foi empregue na realização da pesquisa referente ao mapeamento de famílias e crianças vulneráveis.
Os projectos de parcerias com a UNICEF resultaram, também, na reabilitação de 70 centros de captação de água subterrânea e na construção de 12 novos furos em escolas e centros que albergam sinistrados das cheias e na formação de brigadas municipais de água nos municípios de Cahama, Ombandja, Cuvelai e Kwanhama.
Pedro Cawilila referiu que “o objectivo do programa da UNICEF é também o de prestar apoio técnico e financeiro para a melhoria do acesso a serviços de qualidade global relacionados com o VIH”.
No ​​Cunene, o organismo das Nações Unidas fez um acordo com três ONGs – ADPP, OPALS e CUAMM – para “reanimar” o sistema de saúde, no âmbito do processo de revitalização. Este projecto visa garantir a oferta de um pacote básico a crianças e mães, melhorando os serviços de saúde disponíveis e estendendo a rede de agentes comunitários de saúde.
O sector da saúde na província está, assim, a conhecer dias melhores. A construção e reabilitação de hospitais e centros de saúde têm contribuído significativamente para melhorar a assistência médico-medicamentosa e elevar a qualidade de vida dos cidadãos dos seis municípios. A abertura dos centros de Saúde de Santa Clara e o do Onepolo (Ombala Yo Mungo) estão a reduzir o número de doentes em todos os hospitais municipais.
O Centro de Saúde de Onepolo, localizado a 48 quilómetros da cidade de Ondjiva, é um centro de referência naquela área. O abastecimento de medicamentos e materiais gastáveis é feito pela UNICEF.
O médico geral do centro, Willian Pedroso, reconheceu a existência de algumas dificuldades. No entanto, garantiu que, em termos de assistência médica e medicamentosa, “trabalhamos a 95 por cento. Temos procurado, com isso, dar resposta a todos os programas, como o pré-natal e controlo de vacinação”.

Cuidados primários

As autoridades sanitárias de Ondjiva dispõem, através da UNICEF, de um pacote anual de 2,4 milhões de dólares para assistência sanitária. O governo provincial disponibiliza mensalmente parte deste montante para reforçar as acções nesta área.
O director provincial da Saúde do Cunene, Eleuterio Hivikua, que recentemente efectuou uma visita de monitorização com representantes da UNICEF no Cunene e altos funcionários da Embaixada do Japão em Angola, referiu que o centro de saúde de Santa Clara, que já existe há mais de dez anos, funciona em tempo integral e atende as áreas de pediatria, análises clínicas, maternidade, medicina geral, obstetrícia, entre outras.

Melhoria de condições

O vice-governador para a área Social e Política do Cunene, Jerónimo Heilengue, disse que o governo provincial tem estado a desenvolver acções que visam a melhoria das condições de vida da população daquela região, com especial realce para as crianças.
“O Governo de Angola tudo está a fazer para honrar os 11 compromissos assumidos com a Comunidade Internacional, para de uma forma gradual resolver os problemas das nossas crianças e, consequentemente, reduzir, senão mesmo eliminar, o analfabetismo no nosso país, visando assim a construção de uma sociedade cada vez mais justa”, disse o vice-governador.
Garantiu que “a UNICEF é um parceiro privilegiado do Governo de Angola, porque tem estado a ajudar na construção de escolas, concretamente através de um projecto de construção de 15 estabelecimentos escolares e também no atendimento às unidades hospitalares em toda a província”.

Expansão da rede sanitária

Os serviços de assistência médica e medicamentosa da UNICEF estão a ser alargados aos seis municípios da província (Cahama, Cuanhama, Curoca, Cuvelai, Namacunde e Ombadja), desde 2007. Esta assistência visa garantir a prestação de serviços de primeiros socorros a casos de doentes que antes eram evacuados para o Hospital Municipal de Ondjiva.
Aquele organismo das Nações Unidas tem ainda em carteira, para este ano, a construção e apetrechamento de postos de saúde nas comunas de Mongua, Missão de Mupa, bairro Naipalala, Ondjiva e em Xangongo.
Prevê também a construção de uma escola técnica e de um hospital materno infantil no Naipalala, um centro de saúde no Nahumba e um hospital municipal.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA