Diversificação da economia ajuda no combate à pobreza

A ministra do Planeamento salientou, ontem, em Luanda, a importância dos Estados africanos diversificarem as economias e deixarem de depender de um recurso natural.
Ana Dias Lourenço disse que sair da economia de enclave – dependente de um ou dois recursos – deve ser uma decisão urgente dos Estados e que o processo se deve basear na diversificação e transformação estrutural.
A ministra discursava no colóquio sobre “Ligação do Sector Extractivo de Enclave à Economia Doméstica Africana: A Promoção do Conteúdo Local é uma Panaceia?”, que assinalou a abertura do 117º Conselho Consultivo do Afreximbank.A promoção de valores a partir de recursos nacionais, afirmou, deve ser vista como pressuposto básico para um processo de desenvolvimento autosustentado, que conduza à transformação e diversificação de estruturas económicas de um país.
“A promoção de conteúdos locais deve ser realizado, olhando para fora do país e em simultâneo para dentro do continente, com identificação de fontes locais de crescimento, que despertem o interesse de potenciais parceiros, com economias complementares”, sublinhou a miniatra.
Sobre a “economia de enclave”, declarou que para que possa ser veículo de desenvolvimento sustentável é necessário definir objectivos e estratégias de longo prazo na valorização sustentável dos recursos internos, promover a diversificação económica e apoiar o desenvolvimento de uma classe empresarial nacional. “Uma economia de enclave, na sua versão mais recuada e dependente, caracteriza-se por uma fortíssima dependência de toda a economia face a um sector de actividade, casos de um recurso mineral, petróleo, produto agrícola ou de matéria-prima”, precisou a ministra do Planeamento.
Ana Dias Lourenço afirmou que a dependência é expressa pela obtenção de divisas e de receita fiscal quase em regime de monopólio, existindo um controlo total sobre a economia nacional.
Uma economia de enclave, disse, não gera factores de dinâmica económica e é suportada por vantagens competitivas estáticas e dependente do exterior, do ponto de vista tecnológico, financeiro e de mercado.

Medidas para valorização

A ministra do Planeamento explicou que para uma economia de enclave tornar-se veículo de desenvolvimento sustentável é necessário a valorização dos recursos, integrar o mercado interno, substituir as importações e alargar a base exportadora.Ana Dias Lourenço refere que as dificuldades para manutenção da estabilidade económica, política e sociais observadas em alguns países explicam o relativo atraso de várias nações africanas.  Os recursos naturais, acrescentou, para serem transformados em riqueza devem estar associados a factores como estabilidade, tecnologia, capital humano e fontes de financiamento adequadas.  A ministra afirmou, por outro lado, que apesar do cenário de baixo nível de desenvolvimento económico e social, as taxas de crescimento apurados e projectadas pelo FMI indicam como favoráveis as perspectivas de África nos próximos anos.
Ainda segundo dados da instituição o desempenho já foi retomado no período pós crise, o que propiciou um crescimento de 2,8 por cento aos países da África subsaariana. As projecções apontam para uma continuidade de crescimento nos próximos três anos.

in Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA