Diminuem os casos de tuberculose no Hospital Sanatório da província

Os casos de tuberculose no Hospital Sanatório do Moxico registaram, no primeiro trimestre deste ano, uma redução considerável em relação ao período anterior, revelou, na quinta-feira, a directora clínica daquela unidade.
Clementina Vumbi disse que naquele período foram registados 33 casos de tuberculose, menos 27 do que no trimestre anterior.
A redução de casos da doença na província, salientou a responsável, deve-se ao facto das pessoas acatarem os conselhos transmitidos nas campanhas sobre formas de prevenção e de luta contra a propagação da tuberculose e regras da dieta alimentar dos doentes.
Alimentação inadequada, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e uso do tabaco, referiu Clementina, têm sido as maiores causas do aumento dos casos da doença e de mortes  no mundo.
Clementina Vunge garantiu que o hospital está bem servido em termos de medicamentos e de alimentação e que o grande problema é a falta de médicos especializados.
“Nós estamos a precisar de um reforço de médicos especializados para que o atendimento dos pacientes que acorrem seja melhorado”, disse a directora clínica da referida unidade hospitalar.
Para colmatar este défice, a responsável apela para o envio urgente destes especialistas, uma vez que , neste período, normalmente há a tendência de aumentar os casos.

Atendidos milhares no hospital provincial

O banco de urgência do hospital provincial do Moxico atendeu, em Maio, sete mil pessoas com várias patologias, 3.432 das quais tiveram de ser internadas.
O director clínico do estabelecimento afirmou que, nos últimos meses, o banco de urgência tem registado poucas mortes devido à melhoria da qualidade dos serviços. No primeiro trimestre registou 67 mortes de crianças, com idades até aos 5 anos, o que, referiu Bento Calala , significa uma redução considerável de casos.

Situação na Açucareira

O centro de saúde da Açucareira, na localidade de Caxito, província do Bengo, registou, no primeiro trimestre deste ano, 123 casos de tuberculose pulmonar, revelou ontem o supervisor provincial do programa de controlo da doença.
Dos 123 casos registados, segundo Luís Miguel Neto de Carvalho, 32 são do tipo BK positivo e 91 extra pulmonar, salientou, afirmando que diariamente a instituição atende entre 15 e 20 pacientes, sendo a faixa etária dos 20 aos 30 anos a mais afectada.
Luís Miguel de Carvalho explicou que a tuberculose pulmonar, por ser altamente contagiosa, constitui um perigo para a saúde pública, pois, o agente causador da doença alastra através do meio ambiente.
O supervisor apelou à população que esteja mais atenta aos primeiros sinais da doença, que começam com tosse constante, emagrecimento, febres altas, perda de peso e de apetite.

 

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA