Comércio rural beneficia populações

A comercialização de produtos diversos nas áreas rurais facilita as respectivas populações na dieta alimentar e não só
A comercialização de produtos diversos nas áreas rurais facilita as respectivas populações na dieta alimentar e não só

O Programa de Promoção do Comércio Rural (PPCR), que começa a ser aplicado em Agosto deste ano, na Huíla, vai ajudar a reduzir os índices de pobreza e melhorar as condições de vida da população rural, garantiu na quinta-feira o responsável do Departamento Provincial do Comércio, Tiago Muchinene.
Em declarações à Angop, no Lubango, para explicar os preparativos do programa, Tiago Muchinene afirmou que este projecto vai permitir o aumento da produção agrícola e pecuária, cujos excedentes são comercializados a retalho e grosso de forma organizada. Segundo o responsável, o programa, que é aplicado numa primeira fase em cinco municípios da província, ainda por definir, vai ter acompanhamento técnico da direcção local do Comércio e das administrações municipais, que vão seleccionar as áreas e os beneficiários.
Esclareceu que o PPCR assenta fundamentalmente na dinamização da estrutura retalhista existentes ou a instalar nas sedes comunais e nas povoações, para poderem oferecer serviços permanentes às comunidades rurais e pequenos produtores agrícolas. Adiantou que a nível da Huíla o programa começa a ser ensaiado a partir de Junho, com a realização de seminários sobre “Introdução de levantamento da rede retalhista a nível da província” e “Tratamento dos dados dos levantamentos e programação”. O responsável afirmou que na província da Huíla o programa prevê abranger 45.800 famílias camponesas de cinco municípios a serem seleccionados.
Em termos de execução financeira, o responsável disse que o programa vai consumir 510 milhões de kwanzas, dos quais 76,5 milhões vão servir para apetrechar as lojas e armazéns e 93,5 milhões para reparação e reabilitação de edifícios. Garantiu que a previsão de negócios para cada estabelecimento retalhista na província vai ser de cerca de 3,462 milhões de kwanzas para fundos de mercadoria por loja.

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA