Chuvas atrasam obras de reabilitação do aeroporto

O clima mesclado de frio e de calor leva muitas pessoas a questionarem se o Cacimbo já chegou, atendendo às chuvas que, nos últimos 15 dias, principalmente na cidade do Uíge, caem na província.
Mas nem esse clima incerto impede máquinas e homens de continuarem a trabalhar. São 11h00 e estamos nas obras de reabilitação e ampliação da pista do aeroporto do Uíge, que registam substancial atraso em relação ao prazo estipulado, quando, em 2009, foi feita a consignação da empreitada à empresa Tecnovia, que garantiu, então, terminar os trabalhos em 18 meses.
O director das obras culpa as chuvas torrenciais, que caíram em 2010 e no primeiro trimestre deste ano, pelo atraso causado pela paralisação dos trabalhos preliminares durante aproximadamente seis meses.
“É impossível trabalhar quando chove e sabe-se que nesta província a chuva cai com frequência durante nove meses, dificultando os trabalhos no solo, como nivelamentos, escavações, aterros e terraplanagens”, afirmou Jorge Ribeiro.
O responsável da Tecnovia referiu também a existência de casas ao longo do perímetro reservado para a ampliação da pista e a vedação total do aeroporto como outros factores para o atraso do início da desmatação e demarcações da pista, que depois de concluída passa a ter 30 metros de largura e 2.600 de cumprimento.
“Tivemos de recorrer ao governo da província para desalojar e realojar a população, tendo em conta que havia pessoas que se negavam a abandonar o local depois de muito tempo de negociações, o que criou enormes constrangimentos à empresa e ao dono da obra”, declarou.
O director do aeródromo do Uíge lamentou a lentidão na execução dos trabalhos, mas disse acreditar que a empresa a quem foi adjudicada a obra consiga terminá-la no final deste ano.

Ferraz Moniz salientou que os trabalhos até aqui realizados apresentam qualidade aceitável e foram executados dentro dos padrões aplicáveis ao tipo de aeroporto.
“Está a ser realizado um bom trabalho porque o que já foi feito garante-nos qualidade e resistência do tapete. Depois de concluída a obra, vamos poder receber aviões de pequeno, médio e grande porte, como o Boeing 737, muito usado pela nossa transportadora de bandeira, a Taag”, referiu.

Iluminação nocturna

Pela primeira vez, desde a sua construção, o aeroporto do Uíge vai poder receber aparelhos à noite. Estão a ser feitos trabalhos de instalação de uma rede eléctrica ao longo da pista e da placa de estacionamento dos aviões.
Jorge Ribeiro revelou já terem sido instalados mais de quatro mil metros de tubos de manobras e de caixas de distribuição e que a aplicação dos cabos eléctricos e das lâmpadas deve ser feita nos próximos dias, logo que concluídas as obras de alcatroamento da pista de aterragem.
“Temos as tubagens e caixas aplicadas. Depois da aplicação da primeira camada na pista, que consiste na colocação de uma porção do material betuminoso, começamos a instalação dos suportes e das lâmpadas, que obedecen a critérios internacionais de iluminação aeroportuária”, garantiu.
A Tecnovia, afirmou, tem uma equipa especializada na instalação de sistemas de iluminação eléctrica de aeroportos, sobretudo de pistas e de placas.
“Acreditamos que os equipamentos a serem instalados garantem boa visibilidade aos pilotos e segurança nas aterragens”, frisou.

Drenagem das águas

Para precaver possíveis estagnações de águas pluviais ao longo da pista e no recinto de parqueamento dos aviões foram construídos canais de drenagem e sarjetas.
O director de obras da Tecnovia disse que a medida tem o objectivo de garantir maior segurança na aterragem e evitar que as águas se acumulem ao longo do tapete asfáltico, tendo em conta que são o principal agente destruidor dos pavimentos das estradas e de pistas de aeroportos.
“Os trabalhos de drenagem estão todos concluídos, pois já foram feitas valetas, colectores e distribuidores. Falta-nos apenas concluir a extremidade final que vai levar as águas para a vala depois de concluídos os aterros de solos na cabeceira norte da pista”, salientou.
Ampliação da aerogare
O director do aeródromo do Uíge defendeu a necessidade de se ampliarem e modernizarem os serviços na aerogare. O projecto para a melhoria das infra-estruturas e dos serviços da aerogare, anunciou, já foi elaborado e aguarda a aprovação da Direcção da Empresa Nacional de Aviação e Navegação Aérea (ENANA).
“Com a ampliação e melhoramentos da pista e da placa de estacionamento dos aviões, vamos ver melhorado e acrescido o tráfego aéreo na província”, disse, acrescentando:
“Para tal, defendemos que a modernização destas dependências seja harmonizada com os serviços de embarque e desembarque, check-in e transporte de cargas, de modo a prestarmos um serviço de qualidade aos clientes das agências de viagens”, salientou Ferraz Moniz.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA