Branqueamento de capitais debatido em seminário

Peritos nacionais e internacionais e unidades de informação financeira reúnem-se, hoje, em Luanda, num seminário internacional sobre o combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento ao terrorismo.
A reunião, realizada por iniciativa do Executivo, com o apoio técnico da African Innovation Foundation, disse a sua coordenadora, Ana Almada, tem como objectivo formar as instituições financeiras angolanas.
“O seminário vai engajar os actores angolanos e estrangeiros no combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, num diálogo abrangente que venha a cobrir todas as deficiências. Pretendemos identificar quais são os riscos e as vulnerabilidades de Angola nesta matéria, no quadro das recomendações internacionais e das convenções existentes”, afirmou.
A assistência técnica da African Innovation Foundation, referiu, passa pela organização de seminários e de acções de sensibilização e formação de vários especialistas.
A acção formativa é dirigida a membros do Executivo, diplomatas e entidades nacionais do sector financeiro, representantes do Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, PNUD, Banco Africano de Desenvolvimento e de outras organizações financeiras.
Numa audiência recente com o director do gabinete do ministro das Relações Exteriores, Ana Almada disse que o seminário pretende envolver todos os actores relevantes nesta matéria num diálogo abrangente, com vista ao reforço da eficácia das instituições angolanas neste sector.
Este envolvimento deve ser feito, afirmou, pela identificação dos elementos básicos a serem considerados no combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo.

O seminário conta com a participação de peritos nacionais e internacionais, que fazem uma abordagem sobre os efeitos do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo no desenvolvimento económico e social mundial, quadro legal e institucional existente em Angola nesta matéria, e o papel da Unidade de Informação Financeira de Angola perante a nova legislação.
Para a dissertação destes temas financeiros, a AIF convidou especialistas do sectores económico internacional e nacional para identificarem os riscos e as vulnerabilidades específicas de Angola. A African Innovation Foundation é uma instituição sem fins lucrativos, fundada na Suíça por angolanos e suíços, com o intuito de apoiar o desenvolvimento sustentável dos países africanos, promovendo a prosperidade, o bem-estar e a dignidade das populações deste continente.
O Executivo criou, este ano, uma Unidade de Informação Financeira para monitorizar e combater operações suspeitas de branqueamentos de capitais e financiamento de terrorismo.
A unidade recolhe e agrupa toda a informação relativa aos crimes previstos na sua orgânica.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA