Belgas querem intensificar negócios

Empresários angolanos e belgas na bolsa de negócios para aumento das trocas comerciais
Empresários angolanos e belgas na bolsa de negócios para aumento das trocas comerciais

Os empresários belgas que participam desde segunda-feira numa bolsa de negócios promovida pela Câmara de Comércio da Indústria e Agricultura Bélgica-Luxemburgo/Africa Caraíbas e Pacífico querem intensificar os seus negócios e estabelecer parcerias com os angolanos nas áreas ligadas à prestação de serviços, transporte, agricultura e mineralogia.
António Maia, representante da belga Ahlers Maritime em Angola, disse que a sua empresa está no mercado há mais de dois anos, na área da gestão de navios e pretende alargar os seus investimentos em Luanda e no resto do país.
Com uma carteira de negócios avaliada em mais de 10 milhões de dólares, a empresa quer angariar mais clientes para a área de gestão de navios, já que o mercado oferece grande abertura em matéria de oportunidades de negócios.
O director de departamento da empresa de engenharia hidráulica Dredging internacional (DEME), Guy Christiaensen, corrobora esta ideia, afirmando que Angola possui várias potencialidades naturais que merecem ser bem exploradas.
A DEME é um dos principais provedores globais de serviços, activo nos sectores da dragagem, recuperação de terras, engenharia marítima hidráulica e meio ambiente.
Guy Christiaensen manifestou interesse em estabelecer parcerias com os angolanos nesta área e referiu que a sua empresa pode formar especialistas nacionais em dragagem, na sede da empresa, na Bélgica.
A SIMA, empresa belga internacional especializada no fabrico de máquinas ligeiras para construção, procura empresários angolanos. Pretende montar uma linha de produção de lâminas de diamante, processamento de varões e serras de alvenaria para matérias de construção.

 

Na bolsa de negócios, que termina amanhã, estão representados vários sectores, entre os quais o ferroviário, gestão de navios e portos, maquinaria, aviação, automóveis, exportação de produtos metalúrgicos e construção civil.
O objectivo do evento é mostrar as potencialidades que este país oferece e promover futuras parcerias entre empresários dos dois países.
As exportações belgas para Angola atingiram no ano passado os 280 milhões de euros, enquanto as angolanas foram de 70 milhões de euros, segundo o embaixador da Bélgica em Angola, Daniel Dargent.
A balança comercial teve um peso negativo para Angola, em resultado da crise económica que se instalou no mundo em 2008. No período 2007 e 2008, as exportações belgas registaram um boom com um aumento de quase 50 por cento, ou seja, 374,7 milhões de euros.
Mas Daniel Dargent acredita que melhores dias virão, à luz dos últimos desenvolvimentos que as economias mundiais estão a apresentar. Aliás, refere que Angola não foge à regra e apresenta indicadores seguros que dão maior confiança aos investidores. Prova disso, acrescenta, é a missão comercial belga que está em Angola desde dia 22, com o objectivo reforçar os laços económicos e comerciais e relançar a nossa cooperação económica.
Numa organização da Câmara de Comércio belgo-luxemburguesa para os países de África, das Caraíbas e do Pacífico, estão em Angola cerca de 20 empresas ligadas aos mais diversos sectores.

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA