Banco Africano de Desenvolvimento disponibilizou novo apoio financeiro

Nos últimos seis anos, o Banco Africano de Desenvolvimento, disponibilizou mais de 18 milhões de dólares em donativos, a favor de São Tomé e Príncipe. A instituição financeira panafricana, que recentemente realizou a sua assembleia-geral, foi o financiador do único aeroporto internacional do país.
A intervenção do Banco Africano de Desenvolvimento em São Tomé e Príncipe, desde a década de 70 do século XX, teve uma função estruturante. O BAD desbloqueou nos finais da década de 80 mais de 18 milhões de dólares que permitiram a construção do único aeroporto internacional de São Tomé e Príncipe.
O acesso à zona sul da ilha de São Tomé, que estava cortado por falta de estrada entre a Ribeira Peixe e Porto Alegre, ficou resolvido com o financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento, que permitiu a reabilitação e construção de raiz de 30 quilómetros da via. A nova estrada até Porto Alegre, veio promover a exploração do turismo no extremo sul de São Tomé.
A intervenção do Banco Africano de Desenvolvimento, no sector das infra-estruturas, ajudou o Estado são-tomense a reabilitar as três principais estradas do país, que ligam a cidade capital, às regiões norte, sul e centro.
Vários projectos de fornecimento de água potável às populações foram executados, com destaque para o projecto Água Moreira II que resolveu a crise de água em vários bairros dos arredores da capital são-tomense.A rede de distribuição de energia eléctrica também foi recuperada, com fundos do Banco Africano de Desenvolvimento. O projecto beneficiou algumas localidades do país.
A partir do ano de 2005, a ajuda financeira passou a ser 100 por cento em donativos. De 2005 a 2007, o donativo financeiro a favor de projectos de desenvolvimento da pecuária e de apoio institucional, atingiu 7,5 milhões de dólares.
Para o período 2010-2011 o Banco Africano de Desenvolvimento disponibilizou mais 7,5 milhões de dólares, para financiar projectos de segurança alimentar, com destaque para a agricultura e pescas.

São Tomé e Príncipe é considerado pelo banco como um estado frágil, por isso recebeu este ano mais um donativo financeiro na ordem de três milhões de dólares.
A verba foi repartida para investir na melhoria das condições de segurança no aeroporto internacional e para assegurar a realização este ano do recenseamento geral da população e da habitação.

 

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA