Autoridades sanitárias do Huambo proíbem carne suína do Wako Kungo

As autoridades sanitárias do Huambo proibiram a entrada na província de animais vivos e outros produtos de origem animal de espécie suína e ração provenientes do município do Wako Kungo, Kwanza-Sul, devido ao surgimento da “peste africana” naquela comuna do município da Cela.
A proibição vem expressa numa nota do Instituto dos Serviços de Veterinária da Direcção Provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, segundo a qual se informa que aqueles serviços tomaram conhecimento do surgimento de um surto de peste suína africana no Wako-Kungo e por isso desaconselham o consumo de carne suína e rações provenientes daquela circunscrição administrativa do Kwanza-Sul.
“As estruturas competentes da província devem intensificar as medidas de controlo sanitário em todos os locais de entrada da província”, sublinha a nota.
O departamento provincial do Instituto dos Serviços de Veterinária do Huambo solicita à população que colabore nesta tarefa, de modo a evitar a proliferação da peste suína africana na região.
Trata-se de uma doença contagiosa viral de origem suína. Nos países africanos, o vírus é encontrado em porcos selvagens e carrapatos e é transmitida facilmente entre as duas espécies. A doença pode variar entre as espécies de porcos. Os principais sintomas são febre hemorrágica ou hemorragia interna. O vírus pode sobreviver durante vários meses na carne de porco fresca e produtos processados da carne de porco. Mais de mil suínos estão afectados no Wako Kungo e no projecto Aldeia Nova, onde o surto foi detectado, vários milhares de animais foram já abatidos, para evitar a propagação do vírus.

DEIXE UMA RESPOSTA