Apelo a parcerias de âmbito tecnológico para aumentar produção na agricultura

Afonso Canga ao discursar na terça-feira durante abertura das jornadas de agro-pecuária
Afonso Canga ao discursar na terça-feira durante abertura das jornadas de agro-pecuária

O Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas pretende garantir maior produção e produtividade do sector agrário com a criação de parcerias com empresas internacionais bem sucedidas no ramo.
O ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas, Afonso Canga, afirmou na terça-feira, em Luanda, que as parcerias confirmam o propósito de modernizar o sector, assegurando uma melhor actuação no mercado. “Os grandes desafios obrigam-nos a acompanhar o que existe de melhor no mercado internacional. Estamos disponíveis para criar parcerias e condições para captar investimentos”, disse.
Afonso Canga, que fez estas declarações na abertura das jornadas “Novas tecnologias para o desenvolvimento agro-pecuário”, considerou crucial que se proporcione mais conhecimento sobre a gestão dos recursos disponíveis (terra, água, plantas e animais), bem como a inclusão de novos métodos na produção agrícola. “No quadro da política de incentivos para captar investimentos de empresas estrangeiras, queremos ver instaladas sucursais e filiais em Angola”, acentuou.
O director geral do Instituto de Desenvolvimento Agrário, Marcos Nhunga, garante que o desenvolvimento da agricultura familiar passa pela organização das comunidades, a presença de uma rede de comércio, a concessão de crédito e programas de desenvolvimento social. “Para colmatar os constrangimentos no sector agrícola deve existir inovação tecnológica, interligá-los com os mercados e o acesso aos insumos”, apontou.
Marcos Nhunga, que dissertou sobre o tema “Visão sobre o desenvolvimento da agricultura familiar angolana”, disse que o Ministério pretende trabalhar nas comunidades para incentivar o aumento da produção agrícola.
Declarou que actualmente o instituto controla dois milhões de famílias camponesas que detêm 90 por cento do que se produz em Angola.
O director-geral do Instituto de Desenvolvimento Agrário acrescentou que as grandes regiões agrícolas como Luanda, Cabinda, Zaire, Bengo e Benguela cultivam milho. No Uíge e Malange pratica-se a cultura da mandioca, feijão, café e palma e as províncias do Cunene, Namibe e Huíla são agro-pastoris.

 

O presidente do Conselho de Administração da empresa Agromundo, Jorge Jover, que trouxe para Angola companhias associadas ao sector agrário, disse que pretende apoiar Angola no aumento da produção. “Estamos preparados em termos de tecnologias e trabalhamos com grupos de agrónomos qualificados para transmitir as suas experiências”, referiu.

 

 

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA